segunda-feira, maio 18, 2009

Para a Sociedade, um Band-Aid



Belém, duas da tarde. Um grupo formado por aproximadamente 40 policiais ganha as ruas da cidade, tendo como destino os bairros com maior número de criminalidade. Em dez viaturas e quatro motos, membros da CIEPAS, Força Nacional, DPA, ROTAN e CIPC (órgãos da Polícia Militar) se dirigem às comunidades onde há maior incidência de crimes. Os dados são coletados pela PM com base no número de ocorrências feitas em delegaciais.

Ao chegarmos ao prédio da Seccional do bairro da Sacramenta, durante a ronda regular dos repórteres de polícia, sob a informação de que a Delegacia registrara ocorrência de abuso sexual de menor, somos surpreendidos por uma quantidade relevante de policiais que ocupam o pátio, quebrando a monotonia de tons amarronzados do cimento sujo, com o verde musgo e o preto de seus uniformes. O grupo evidenciava excitação e logo foi revelado o motivo da agitação: a Operação Ronda nos Bairros.

A Ronda nos Bairros é um planejamento do Comando de Policiamento da Capital (CPC) e segundo O Tenente comandante da operação o procedimento tem o objetivo de previnir ou reprimir crimes. Telégrafo e São Brás foram os primeiros bairros visitados do dia. A PM, no momento da entrevista, se dirigia para os arredores da Sacramenta e, posteriormente, Cremação e Terra Firme, onde finalizaria a operação durante a noite.

Para aqueles que ususfruem da região metropolitana de Belém, o procedimento é desconhecido, uma vez que nessa área a atuação dos órgãos da Polícia Militar pertence a uma outra operação: a Armagedon. A Ronda visita vários bairros periféricos diariamente. O procedimento tem início e fim, mas a hora do final não é divulgada, já que pode prejudicar a atuação da polícia.

Em momento de alto índice de crimes de naturezas variadas que atingem a sociedade, o Estado encontra um meio de "amenizar" a violência que não consiste no investimento em políticas educdacionais, mas sim por meio do exercício do poder de polícia para vigiar e punir. Seguindo um modelo no estilo panoptico de Foucault, funcionários públicos fardados e armados visitam as comunidades mais violentas. Os visitantes dispensam chá e biscoitinhos.

O Major responsável pela operação informa que a vistoria das comunidades é um procedimento rotineiro dividido em dois turnos. Pela manhã a Ronda nos Bairros ocorre das 9h00 às 11h00 e durante a tarde, das 14h00 às 16h00. Logo após a reportagem colher as informações sobre a operação, decidimos ir em busca de uma das viaturas que se dirigia para regiões periféricas específicas de Belém. No meio do caminho tinham policiais... e nenhuma atividade de investigação.

Durante a vigência da Ronda nos Bairros é esperado que a criminalidade amenize, mas para o tumor da violência, qual será a operação?



foto: Marco Antonio Cavalcanti, Agência JB.