quinta-feira, agosto 26, 2010

M R O A



Ele me ama. Ousou em me dizer tal atrevimento depois daquela tarde em que o surpreendi agarrando uma puta. Sim, uma puta. Não é mulher. Com peitos tão caídos e aquela cara sem graça, oleosa e com os cabelos despentados. Linda tarde que me deixou plantada em casa, esperando uma ligação que não existiu. Eu, perder aquela tarde linda? Saí de casa irritada porque ele sumiu e encontro ele, pegando vento com aquela criatura feminina só porque carrega uma vagina ao invés de um pau. A feminilidade passou longe. Esse amor estranho, dispenso. Me deixou com a boca seca e taquicardia de tanta raiva. Um desgaste que me deu um ganho. Um poeta. Um homem lindo, simpático, que me deu de presente um livro artesanal depois de me declamar uma poesia que no final das contas dizia, em uma métrica bem pensada, "adorei saber da tua existência, mas o que me deixaria mais feliz seria tirar tua roupa e te pegar de quatro". Ainda, assim, valeram os versos. O poeta vestido com roupas de dois séculos atrás me parou em uma praça para onde fui buscar paz de espírito. Naquela noite, ele me salvou. Reacendeu em mim uma dignidade mastigada. Me senti mulher.



A saga da puta mal comida. Parte IX.

Ele está dormindo. A punheta bem batida o faz dormir um sono relaxante depois que o orgasmo massageou todos os seus músculos tensos até o momento da explosão. Não gozei. A falta do gozo não incomoda muitas mulheres, mas a mim, causa extrema irritação. Ao contrário dos músculos dele, os meus estão muito tensos e nem consigo dormir. Daqui a pouco o dia amanhece e não descansei um minuto sequer por um simples motivo: não senti a porra da explosão. Você nunca gozou? Uma pena. Se esforce, estude o seu corpo, peça ajuda ao seu parceiro e você sentirá uma das mais belas sensações.

Ele continua dormindo. Aqui do meu lado, ignorando se o mundo vive em perfeita harmonia, ou respeitando todas as regras da lei de Murphy. Foda-se. Não, ele não me fudeu. Brochadas sucessivas, dele e minha, não nos foderam. Ele respira profundamente. Indícios de um corpo relaxado, diferente do meu. O fato de eu não conseguir dormir por ainda querer gozar não parece ser uma de suas preocupações. Eu adoro dar prazer aos meus homens e deixá-los satisfeitos. Mas para eles, o gozo solitário parece ser suficiente. Meninos, dêem atenção especial para a sua mulher, caso contrário, ela dará a buceta ao próximo que tratá-la com carinho e muita explosão. Quando falta carinho, a gente trai, mesmo.

Hoje eu não vou gozar. Bom pra mim que explodo amanhã. Pior pra quem fode há mais de cinco anos e não sabe o que é orgasmo. Pobre das mulheres mal tratadas.


foto: Buguela e o Sonho Feio