sábado, janeiro 01, 2011

Meia noite e diz: "uhuuuuuu"!

Pé de pato mangalô três vezes. Não adianta fazer figa, entrar com pé direito na casa de Santos Dumont e colocar a carranca na proa do barco pra espantar os seres misteriosos que vivem no rio. Se tu não cuidaste de fazer o esforço pra ser uma boa pessoa pro teu próximo, já era pra ti, nêgo (a). Bater ponto na igreja, fazer reza, batucada, deixar vela, cerveja e batom na encruzilhada também não surte efeito. Yemanjá também não vai ser boa contigo só porque tu jogaste no mar primorosas oferendas e entraste o Ano-Novo todo trabalhado na roupa branca.

Coisa mais difícil é olhar pro próprio umbigo e reconhecer: sou um (a) babaca. Fácil é xingar no Twitter, tocar o terror falando mal dos outros, apontar a pisada de bola alheia e puxar o saco de quem queres ter o apreço. Te toca, mana (o). Não precisa lamber as bolas, enxugar e depois passar talquinho.

Realmente é complicadíssimo enxergar o próprio defeito. Narciso acha feio o que não é espelho e só percebe o que tem de bom. O belo é sempre mais atraente. É sim. Já que, quando muda o ano, uma galera faz listinha de metas pros próximos doze meses, inclua no topo da lista, acima da dieta e da academia, uma avaliação das suas condutas com as pessoas que são próximas a ti. Tens respeitado? Ajudado? Sido solidário? Egoísta? Um pé no saco? O rei, a rainha do buchão? Reflita e se torne alguém menos pé no saco. Feliz Ano! Que aproveitemos 2011 mais do que 2010 só pra garantir caso o mundo acabe em 2012.