sábado, setembro 28, 2013

Um dos melhores lugares do mundo é a plateia

Joana,

há algum tempo me prometi fazer um mural com os ingressos de shows e peças que andei colecionando. Não foi a primeira vez que guardei com carinho as entradas de espetáculos memoráveis. Por onde andam os tantos outros vestígios de plateias por onde estive? Não sei, se espalharam por lixeiras com o tempo, sem que eu soubesse. Mas não são menos importantes, de jeito nenhum. Guardo os espetáculos na memória e no coração, claro. Estar numa plateia é sempre memorável.

Esse mural é especial. Não apenas porque reúne passagens por plateias de espetáculos como "Tim Maia - Vale Tudo" - belo musical com Tiago Abravanel, antes dele ir pra Globo e ficar famosíssimo (canta muito! emocionante) -, "Hair" - a peça mais linda e emocionante que assisti nesses últimos 29 anos -, "A Casa Amarela" - solo belíssimo com o Gero Camilo - e "Viver Sem Tempos Mortos" - monólogo com a dona Fernanda Montenegro - não tenho nem palavras...

Ou porque denuncia o carinho com o qual lembro de ouvir, e cantar junto, Alanis Morissette, Lobão - gravação do dvd "50 anos a mil", imagine! -, o primeiro Lolla Palooza Brasil e Aerosmith - que tive o privilégio de ver tão de perto que enxerguei o olho roxo do Steven Tyler que tinha caído durante o show em Buenos Aires uma semana antes.

A importância desse mural está em lembrar o quão é importante ir.

Quando a gente vai, gera movimento. A gente vai, a gente vê, a gente ouve, a gente sente. E quando vamos indo com a arte do lado, a gente vai ainda melhor.

Fui indo, indo, indo tanto que cheguei.

:)